Analitics

domingo, setembro 09, 2007

Verdades e mentiras

Sobre a situação do post anterior, eu conversei com a minha amiga e a lesada nem tinha percebido a saia justa em que ela tinha me colocado. Disse que percebeu que eu estava puto no dia, mas achou que era só crise de ciúmes da amizade dela com a outra bicha, que estava pagando de homenzinho naquele dia, com abraços, beijinhos, etc.

Só depois da conversa que a ficha dela caiu, mas agora já é tarde, né? Para utilizar uma expressão de uma amiga dela, esclareci que o que ela fez me deixou “feio igual dragão”. Mas, tudo bem, bola pra frente, pois a vida continua.

Por falar em vida, nesta mesma semana fiz uma boa ação: fui doar sangue. E não foi pra ninguém em especial, mas sim como doador voluntário. Só não olhei em nenhum instante para a agulha, pois esse tipo de objeto penetrando o meu ser não me atrai em nada.

Menti descaradamente na entrevista anterior para não ser barrado. “Você já teve experiências sexuais com homens?” “Nãããããããooooooo!!!!” Menti sim, e para doar sangue mentirei quantas vezes forem necessárias. Tenho consciência das minhas práticas e faço exames todo semestre pelo Projeto Horizonte, então tenho certeza de que está tudo OK. Não sou irresponsável de querer arriscar a vida de alguém pelo que poderia ser um mero capricho meu. Não é o caso.

Engraçado que após a situação do post anterior poderia muito bem extrair uma “lição de moral”, do tipo “a mentira não vale a pena e a verdade é sempre o melhor caminho”. A situação da doação de sangue vem logo em seguida, para desmentir isso. Não que eu vá pregar a mentira como filosofia de vida, ou abraçar a máxima de que os fins justificam os meios. Não é nada disso.

Mas sou um ser humano cheio de falhas e defeitos como qualquer outro. Sempre tive um grande problema com minha imagem, o que é, na verdade, a razão de boa parte da minha terapia. Sempre fiz de tudo para ser certinho e “de tudo e mais um pouco” para parecer mais certinho ainda. Acontece que há algum tempo eu abdiquei da minha busca pela perfeição. Assumi um compromisso comigo mesmo de me permitir muito mais, até pra ajudar a colocar as minhocas no lugar quando elas esboçam alguma rebelião.

Por isso admito (ou diria talvez, confesso) pensar em adotar uma postura mais... er.... digamos... “flexível” com algumas verdades. Estou precisando disso para me sustentar sobre minhas pernas, que não se tornaram curtas, mas podem dar uma mancadinha vez por outra.

Aliás, sobre essa flexibilidade, este post é, para mim, um extremo de sinceridade. Mas já aviso aos remanescentes leitores deste blog que não esperem grandes revelações e relatos tortuosos daqui pra frente. Pois, seguindo os ensinamentos do ex-ministro Rubens Ricupero (aquele do escândalo da parabólica há uns 13 anos, no final do governo Itamar, cuja conversa com um repórter foi captada inadvertidamente por várias antenas no país inteiro), a regra é a de que “o que é bom a gente divulga e o que é ruim a gente esconde”.

Assim, se agora eu desço dois degraus no conceito de muita gente, pelo menos evito despencar ainda mais!

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails